1 de setembro de 2014

Sobre setembro

Aí você toma um tapa na cara, agosto termina da pior possível.
Aí você aprende da pior maneira possível.
E então você volta pra casa, pro lugar de onde você não deveria ter saído.

Ou deveria.
Aprendi muita coisa nesse mês.
Aprendi a deixar ir, a me irritar. A não me irritar, a deletar quem não acrescenta em nada na vida.
Se bem que até com mau exemplo a gente aprende: aprende a não fazer igual.

Setembro chegou.
A constatação de que estou acima do peso desejado também.
Ah, também estou com um acúmulo de celulite. E isso está me incomodando.

Agora resta saber se eu vou levantar minha bunda da cadeira e fazer alguma coisa pra mudar tudo isso.
Um ano sem namorar (a volta em março não conta).
Tá na hora de cuidar de mim e ser feliz.

E se isso significa beber menos e correr mais, é isso que vou fazer.
Não quero me sentir a tia gorda e encalhada.
Não quero mais passar por momentos de raiva.

NÃO QUERO NUNCA MAIS TER O CARREGADOR DO CELULAR ROUBADO.
Porque olha, ontem eu quase tive um dia de fúria. Tive ganas de quebrar tudo.

Me sinto orgulhosa de não ter chorado.
Ao mesmo tempo acho que deveria ter chorado como há tempos estou precisando.

O que eu sei é: tô gorda. Tô chata.
E não quero ninguém enchendo meu saco.

Setembro trás a primavera. Que eu renasça com as flores.



29 de agosto de 2014

Sobre Campo Grande

Campo Grande tem ensinado muita coisas.
Ter paciência e não falar muito, curtir minha própria companhia. Essas e outras coisas.

Tenho pensado em escrever bastante, mas falta tempo ou disposição.
Os dias são mais longos por aqui...

Confesso estar um pouco decepcionada com alguns detalhes.
Gente que fala o que quer enquanto eu engulo meus lagartos.

Sinto saudades de casa. das minhas pessoas.
Saudade de um beijo bem dado, de uma noite fofa, de conversas.
Saudades de ser eu mesma sem ter que ficar agradando.

Me sinto sozinha por aqui. E sinto que rolam fofocas...E o fato de achar que rola fofoca me irrita.
Odeio a forma mais ou menos desorganizada como as coisas são tocadas.

Aprendi a valorizar muito o lugar de onde eu vim, minhas raízes.


10 de agosto de 2014

Sobre Jack num domingo a noite

Eu não sei lidar com sentimentos.
Tenho um senso lógico muito bom, mas me falta tato com sentimentos.
Misturo muita coisa, sinto coisas completamente opostas ao mesmo tempo.
Quero tudo e nada ao mesmo tempo.

Não sei o que quero. Mas sei bem o que não quero.
Só sei o que quero quando o assunto é profissional.

Tô triste, com raiva.
Tô decepcionada. Tô esperando muita coisa de muita gente.
Tô perdida querendo me encontrar.