17 de agosto de 2017

Eu preciso parar de olhar pra trás.
Preciso parar de comparar.
Na comparação ninguém vai ser o que você foi. Não vai ter alguém parecido. Ninguém.
E você não vai voltar.
Dou dois passos pra frente e volto três.
Me apaixono por uma semana tentando preencher um vazio que não vai ser preenchido.
E não é sobre não estar completa. Eu tô bem comigo. Tô tranquila. Magoada.
É uma mancha escura que me consome.
Não quero te culpar por toda essa situação. Não quero dizer: você foi uma filha da puta, covarde, sem coração.
Tá foda. Eu bebo e te mando mensagem.
Eu ainda sinto sua falta. Falta do senso de humor, da sua inteligência, do seu sarcasmo. Todas aquelas conversas.

Talvez eu esteja chorando de saudade de novo.
Às vezes eu queria que você ligasse. Só pra saber como estão as coisas.
De alguma forma eu ainda te espero voltar.

15 de agosto de 2017

Spotify tá querendo me matar!
Fresno, Rubel, Vanguart, o que mais? Vai tocar Maglore também?
Puta que o pariu. É muita decepção pra uma semana só.

Eu realmente só queria deitar e dormir por 20 anos

11 de agosto de 2017

Voltei pro aplicativo onde nós nos conhecemos. Doeu mais que um tapa na cara.