27 de setembro de 2016

Dia #2.3

Estar tão perto e tão longe.
Me sinto sozinha.
Me sinto abandonada. Ficar sem notícias é a pior das torturas.

Não sei lidar direito com essa coisa de inércia.
Estou me perguntando se você ao menos tem curiosidade em saber como estou.

Eu passo meus dias te esperando.
Me veio uma música na cabeça, aposto que você conhece Maná - En el muelle de San Blas

Não quero enlouquecer com essa história.
Mas estou quase.

Dia #2.2

O segundo dia amanhece dolorido.
Dilacerando.
A dor paralisa.

A sensação é de que meu corpo está sentindo toda a carga de pensamentos e sentimentos.

Acordei com náuseas. Enjoada da vida.
É quase desesperador 

Preciso manter o foco. Mas foco no que?
Na espera? Na vida? O que devo pensar? O que posso esperar?

Esse exílio é torturante.
Continuo aguardando noticias do front.
Espero que esteja tudo bem, afinal só me resta esperar.

Dia #2.1

Insônia novamente.
O primeiro dia já passou.
Estou num misto de ansiedade e tristeza.  Os dias ficam vazios quando não se pode fazer algo que se faz sempre.

Um simples "bom dia" faz muita falta.
Hoje eu quis falar sobre música. Estava ouvindo Stereophonics.
O assunto era rock britânico.
Como tem coisa boa, não?

Estou no aguardo de um sinal.
Será que você lembra que eu me escondo aqui?

40 minutos do segundo dia.
Tempo e distância são relativos. Espaço também.

Eu continuo a te esperar, como um noivo que aguarda a triunfal entrada da amada na igreja...