14 de junho de 2008

Uma bolha chamada Tel Aviv

Conforme havia prometido no primeiro post aqui na "casa nova", comento agora, minutos antes de sair em viagem para as Minas Gerais, o filme "The Bubble".

Surpreendente. Se eu precisasse definir o filme com apenas uma palavra, usaria esta: surpreendente. Tanto pelo seu final, um tanto quanto incomum e avesso ao tradicional "clichê hollywoodiano", quanto pela presença de outros elementos que deixam a história ainda mais interessante.

The Bubble é mais um filme do israelense Eytan Fox, conhecido por abordar temas polêmicos como a homossexualidade. Até aí tudo bem, Brokeback Montain também retratou tudo isso com seus preconceitos e uma trilha sonora que na minha opinião é fantástica.

Então por que The Bubble surpreende?
1- A história se passa em Tel Aviv, a segunda maior cidade de Israel.
2- O par romântico do filme é formado por um israelense e um palestino.
3- Trilha sonora, que inclui a brasileiríssima Bebel Gilberto.

Com um enredo onde alguns clichês permanecem o filme mostra três jovens israelenses que dividem um apartamento: o balconista Noam, Yali, o gerente de um café, e a vendedora Lulu interpretada pela belíssima Daniela Wircer que faz o papel de única hetero do trio (detalhe essa é a estréia dela nas "telonas"). A harmonia do grupo é abalada pela chegada de Ashraf (Yousef Sweid), um palestino que inicia um namoro com Noam.

Muitos acreditam que com tantos elementos novos e diferentes Eytan Fox poderia ter ousado um pouco mais na forma de conduzir o filme.

O fato é que é simplesmente impossível não sair pensando e repensando após o filme.
E atenção: Se você é homofóbico, se sente incomodado com cenas homossexuais, não assista, se eu não me engano logo nos primeiros vinte minutos do filme você já presencia cenas tórridas de amor!


----------------
Escutando: Cheerleader - Melissa (Extended Mix)
via FoxyTunes

Acesse também: fotolog.com/psouva

Um comentário:

  1. Você viu "Paradise Now"? Veja! É um soco no estômago!

    ResponderExcluir