30 de julho de 2008

Com o retorno de Saturno

Baixei o último álbum do Detonautas Roque Clube.

De cara duas faixas me chamaram a atenção: a faixa título que abre o cd: O Retorno de Saturno e Só pelo bem querer, que você pode baixar clicando aqui embaixo.

Pensei em muita coisa ouvindo essa música. Muita coisa mesmo.

Compartilhe :

29 de julho de 2008

Perdendo o juízo...

Sobre minha exodontia dos terceiros molares superiores ou extração do sisos, se assim você preferir.

       Quarenta minutos. Ou nem isso, foi mais ou menos esse o tempo que levei para perder, agora por completo, o juízo. Afinal muita gente diz que o dente do siso é o "famoso" dente do juízo.

A consulta estava marcada para as 14h. Cheguei uns dois ou três minutos depois. Aguardei na ampla recepção, onde pacientes de outros médicos também esperavam. Alguns a ler revistas, que não sei por que sempre são revistas velhas e de fofocas. Eu gostaria sinceramente de saber por que causa motivo e razão qualquer consultório médico por aí só tem revista velha. É um mistério isso... Tipo umas "Caras" de dois, três anos atrás, da época de Deborah Secco estava com Falcão, que Eliana ainda era casada com o bonitão, ops quer dizer, sorveteiro/cozinheiro do Edu Guedes. Ou ainda umas "Tititi's" com os capítulos finais de "Esperança", mas enfim voltemos ao assunto.

Esperei por volta de dez minutos enquanto assistia o gordo André Marques apresentando VídeoShow (que aliás era muito melhor com Miguel Falabella).

O consultório fica no segundo andar de uma casa ampla e arejada.

Cheguei e já fui direto para a cadeira. A dra. Purnima Prakki (é isso mesmo o nome dela não tá errado não) preferiu fazer a cirurgia em pé.

Três picadinhas da anestesia em cima do lado direito, e mais uma embaixo para poder cortar uma parte de uma pele que cresceu mais que o necessário depois que extrai os sisos inferiores. Três do lado esquerdo também. Na verdade nem senti a anestesia. Senti uns minutinhos depois quando começou a fazer efeito e comecei a babar feito um São Bernardo.

Primeiro ela fez o corte da pele na parte inferior visto que era mais simples. Corte feito, suturas também, partimos, na verdade ela partiu, eu estava deitadona na cadeira, para a extração do "terceiro molar superior direito". Força daqui, força de lá, troca de aparelho daqui, pede pra fechar um pouco a boca de lá e pronto! Lá se foi o primeiro.

Foi aí que me dei conta que para ser dentista, pelo menos nesse caso, é preciso de força física. Sério, apesar de anestesiada deu pra sentir a força empregada.

A dra. Purnima suturou e colocou gaze para estancar um pouco o sangramento. Uns três minutos depois partimos para a segunda parte: a extração do outro dente.

Esse foi mais rápido. Mas eu senti um pouco mais. Meus dentes são pequenos (e bonitos segundo a doutora) o que dificulta um pouco a operação. Sutura feita e gaze para estancar os dois lados.

O pós operatório é relativamente simples:

  1. Evitar alimentos duros e quentes;
  2. Evitar esforços físicos por uns três dias (ou seja academia amanhã nem pensar);
  3. Decadron de oito em oito horas (é um anti-inflamatório que deve ser tomado 1 hora antes da cirurgia também);
  4. Evitar o sol
  5. E finalmente voltar no consultório na próxima semana para fazer um acompanhamento, ver se a cicatrização está ok.

A dra. Purnima também disse que é provável que ocorra sangramento até amanhã, mas nada muito abundante. Realmente quando extrai os inferiores há um bom tempo atrás o sangramento demora para acabar mas não é intenso, é questão de não ficar cuspindo muito, ou lavando para que o coágulo possa se formar.

Agora são 20h, a anestesia já passou e não sinto dores. Tomei um comprimido de Decadron 4mg às 16h e até agora não senti necessidade de tomar analgésico. Já tomei um suco bem gelado (medo da minha laringite voltar) e umas 4 ou 5 bolas de sorvete de creme.

Encontrei uma dicas legais em outro blog, escrito em português de Portugal, o Dentaria.

Perdi o juízo, agora por completo. E mesmo assim ainda me sinto bem!

 

Compartilhe :

 

27 de julho de 2008

Toxic

Acho que nada combina mais com este post que sua trilha sonora: Britney Spears - Toxic.

Nunca experimentei nada ilegal, mas confesso possuir uma senhora curiosidade. Fim de semana com direito a balada deixa ainda mais latente essa vontade. Mas daí a partir para os "finalmente's"  ainda falta muito. Pelo menos pra mim falta.

Tudo bem que curiosidade é primeiro passo pra começar a usar, pelo menos pra grande maioria. Não nego que deve dar um "barato" legal, viagens e sensações novas. Acho que o lance de poder viajar é que é maneiro: Poder sair da realidade, nem que seja só um pouco é algo interessante. Misture isso com música alta e, dependendo da droga, uma energia pra dançar a noite toda, putz, combinação perfeita, certo?

Errado! Pode até parecer legal de começo, mas tem lá suas consequências e essas sim não são (nada) legais. Aliás vício algum é bom. Se nem cigarro eu aturo, quanto mais outras coisitas más.

Mas que eu tenho curiosidade em descobrir essas sensações, ah eu tenho, mas ainda bem que tenho noção da realidade e responsabilidade também (é alguma coisa boa eu tinha que ter né gente?)

Muitos amigos meus já usaram? Já. Já usaram do meu lado? Já. Mas nem por isso eu usei também.

_________________________________________________

De brinde vai o download da música: Britney Spears - Toxic. Aliás essa música é responsável pelo Grammy da Maluquinha do Pop como melhor música dance se eu não me engano e pertence ao álbum In The Zone, bem sugestivo o nome hein?!

Compartilhe :
Technorati Marcas: ,,,

24 de julho de 2008

A difícil arte de manter minhas relações sociais

Eu sou o tipo de pessoa que adora conversar. Adoro bater papo, adoro incrementar minha rede social. Não ligo de puxar conversa em ponto de ônibus, sala de espera do médico ou uma fila qualquer.

Mas há dias, confesso, que eu simplesmente compareço à alguns eventos puro e simplesmente por consideração de quem o está organizando. Hoje talvez seja um desses dias. Não porque eu não quero, mas porque meu corpo pede descanso. Sem contar que ainda estou com minha voz meio prejudicada.

A fonoaudióloga com quem falei me recomendou o mais absoluto silêncio. Passei hoje o dia todo quieta. Melhorou um pouco sim e não quero perder essa conquista.

Corpo dolorido. Sei que vou voltar tarde. Isso tudo me traz um desânimo sem fim.

Acho que o que me encheu o saco foram tantas cobranças. Odeio gente no meu pé. Convidou? Legal. Eu decido, se eu disser sim, não fica colocando pilha, porque é um saco.

Argh, estou me detestando. Mau humor em nível crítico.

Compartilhe :

Viva a vida. Com direito a trilha sonora...

Sempre gostei de Coldplay desde o instante que conheci a banda. Tudo bem que não lembro exatamente quando isso foi. Talvez tenha sido na faculdade em 2003, talvez antes. Não lembro ao certo.

Sei que desenvolvi uma paixão. Não virei fanática,Not worthy mas gosto muito e na medida do possível acompanho a banda. Seja surfando na rede mundial de computadores, seja baixando os lançamentos.

O último arquivo a chegar (tarde, diga-se de passagem) ao meu HD é o (já nem tão) novo álbum "Viva la vida or death and all his friends" mais conhecido como só "Viva la vida".

Não sei se pelo nome ou pelo ritmo mas a primeira música de cara me lembrou BeeGees em seu álbum "This is Where I Came In" que é de 2001.

"Viva la vida" começa com um ar repleto de nostalgia, ao menos pra mim com sua faixa "Life In Technicolor" que é o tipo de música que dá um "troço" no peito, uma vontade gritar, abrir os braços e sair dançando por ai. Eu a cantaria se ela tivesse letra.

Ao todo são 16 faixas, basicamente "geniais" como o Vocal Chris Martin anunciou um bom tempo antes do lançamento.

A música "Viva la vida" um dos primeiros singles e que dá parte do nome do cd merece atenção. Aliás muita atenção, principalmente no violino que fica ao fundo junto com os vocais muito bem estruturados. Um som quase divino.

Se você ficou curioso e resolveu escutar o álbum inteiro é bem simples é só baixar aqui:

Viva la Vida - Coldplay [4shared - 58MB]

Compartilhe:

23 de julho de 2008

Meia voz...

Nunca imaginei que fosse tão ruim ficar sem falar direito, até porque eu sou tagarela ao extremo. E isso desde pequena. Ficar com meia voz ou quase nada durante 3 longos dias e me esforçar para dizer cada palavra é algo pelo qual eu nunca havia passado antes. É estranho e de certa forma bom ao mesmo tempo. Exercitei outras formas de comunicação. Pensei mais antes de dizer coisas desnecessárias.

Me dei um livro de presente: Entre a Mentira e a Ironia - Umberto Eco. Assim que eu terminar de ler vou publicar a resenha aqui.

Não sei o exato porque, mas o título me chamou a atenção. É um bom passatempo.

Mudando de assunto, hoje ou amanhã devo postar meu trabalho de Cibercultura. Está ficando legal, pelo menos eu acho.

Em agosto as aulas retornam à todo vapor. Espero me dedicar mais neste semestre. Enquanto minha voz não volta eu fico por aqui. Sem ter muito o que escrever, mas pensando em diversas coisas.

Distribua este texto