29 de agosto de 2008

Em meio à confusão

Confusão de sentimentos.

Eu tinha, aliás ainda tenho, que limpar a casa. Acho que preciso limpar a alma também. Banho de cachoeira, banho de mar, sei lá, um mergulho na piscina quem sabe, mas algo que me limpe por dentro e me prepare para tudo que está por vir.

Sempre fui meio avessa à mudanças, talvez porque apesar dos pesares, por mais que não pareça eu sou muito acomodada.  Se algo não me dói eu não mudo. Mas começo a sentir dores dessa rotina. Ou dessa ausência de rotina, ausência de regras. Esse viver por viver.

Preciso me levar mais à sério.

Gostava mais de antes. Antes quando eu era nerd, coroinha e não bebia. Antes quando eu tirava notas boas, era uma boa filha e exemplo.

Estou confusa. E isso é um fato. Não confusa com relação a sentimentos, nesse caso sei bem o que e quem quero. Na verdade eu acho que não sei crescer. Esse lance de virar gente grande é estranho. Não aprendi a lidar com isso ainda.

Vinte e três anos nas costas. Uma faculdade concluída, uma pós graduação em andamento, inglês e espanhol. E agora? O que mais eu posso fazer? Pra onde eu devo seguir? Se eu ao menos estivesse namorando, poderia, de repente quem sabe, estar canalizando minhas energias e esforços em nome de um futuro à dois. Mas não, eu não estou nem namorando. Não que eu sinta falta, não que eu não esteja bem com minha atual situação. Mas tem algo me trazendo incômodos  faz tempo já. E eu não sei o que é.

Sábado passado na aula da tarde falei sobre a sociedade que aos poucos se desfaz de seus ritos, seus rituais, seus padrões. Eu também me desfiz. E sinto falta.

Pra onde ir agora? Na vida eu não sei. Sei que ainda tenho a casa pra limpar.

6 comentários:

  1. Sinceramente? PArece até que fui eu quem escreveu esse post.

    Precisando, sabe exatamente o caminho pra chegar ao meu abraço.

    Nem que seja em meio a um encontro casual no elevador.

    (Casual ou não, foi assim que conheci você!)

    Te adoro, e sinto saudades. Muitas.
    Vontade de sentar do seu lado e ficar jogando conversa fora, trocando conselhos, falando daquilo que falávamos abertamente e que hoje não aparece mais nem implícito em nossas conversas.

    Enfim, tô com você. Aqui de longe, do meu jeito. Mas tô.


    Beijão, Pri, minha senhora idosa com carinha de neném.

    ResponderExcluir
  2. Vamos trocar? mudei pela terceira vez de faculdade ( segunda de curso ) e tenho 26 anos.
    Falo mal e porcamente pt-br.
    Namorar? Meu fim é sozinho e sócio de prostíbulo!
    Mas.. pera.. é pra comentar o seu post e não fazer do comentário meu post!

    É aquele bla bla bla padrão... se não sabe pra onde ir qualquer estrada serve!
    Crescer profissionalmente.. conhecer novas pessoas ( quem sabe o tal namorado para uma vida a dois! ), lugares... pense na quantidade de livros que você ainda não leu! uma vida é pouco pra tanta informação!
    Aliás, um dia com 24 horas é um nada!
    Porre... quero mais tempo... quero mais coisas pra fazer.. pra poder simplesmente não fazer nada!
    Já pensou em se aventurar num curso qualquer em outra nação?
    blé falei demais... mania minha de tentar responder o que não perguntaram e que normalmente não gostariam de uma resposta!

    ResponderExcluir
  3. Alerta de crise existêncial.
    Isso acontece.
    Wisky com duas pedras de gelo costumam aliviar os sintomas...
    Falando sério, não se cobre demais sobre "ser adulta". Ninguém sabe como ser adulto - apenas é. E, pelos textos que venho lendo aqui nos últimos tempos, você sabe muito bem o caminho das pedras.

    ResponderExcluir
  4. @Fabio, acho que essa crise foi desencadeada justamente pelo excesso de álcool!

    ResponderExcluir
  5. Sugiro que leia "filtro solar" - tradução de Pedro Bial. (http://001pontodevista.zip.net/arch2008-06-01_2008-06-30.html#2008_06-10_12_01_36-129238096-0)

    Atenção ao trecho: Não se sinta culpado por não saber o que fazer da vida
    As pessoas mais interessantes que eu conheço não sabiam, aos vinte e dois o que queriam fazer da vida.
    Alguns dos quarentões mais interessantes que eu
    conheço ainda não sabem.

    Enfim, to aki e tu sabe... e sabe como te quero bem! Somos bem parecidos, eu também me desfiz... eramos bem parecidos antes, e somos agora também!

    Podemos nos refazer, como quisermos... Assim como a fênix, que ressurge das cinzas... Tá dentro da gente

    Te adoro... bjaum

    ResponderExcluir
  6. Casei quando completei 23 e nem isso me tirou o incômodo deste momento de terminar a faculdade e ter que virar gente, sabe? Como meu marido tem praticamente a minha idade, largamos tudo (casa montada, emprego excelente dele, uma vida) e fomos nos aventurar no exterior. Não é preciso ser tão radical, mas a verdade é que neste momento precisamos mesmo de alguma sacudida. Nerd que é nerd vai me entender, é a "vintolescência" dos hobbits! :)
    Minha irmã tem um livro bem legal que fala da crise dos 25, vc conhece? Talvez no teu caso ela esteja se antecipando!
    Beijo e boa semana. :)

    ResponderExcluir