8 de setembro de 2008

Contos, crônicas e um pouco de prosa...

Há muito eles já se conheciam. E muito, nesse caso, quer dizer aproximadamente uns três meses.

Ele um típico Dom Juan. Galanteador por natureza, direto mas sem perder o charme, um tanto quanto envolvente eu diria. Não era dos mais belos, mas chamava a atenção mesmo com a baixa estatura. Cabelos castanhos e olhos da mesma cor. Corpo delgado mas com ombros largos para sua estatura, ombros que disponibilizavam por muitas vezes a segurança que as mocinhas mais novas procuravam.

Ela era praticamente o oposto dele. Elegante como (quase) toda mulher alta. Imponente mas sem perder a delicadeza. De poucas palavras e de uma timidez que a tornava ainda mais charmosa. Cabelos castanhos claros, tão claros que muitos confudiam com um loiro mais escuro. Pele alva e bem cuidada e um sorriso daqueles que fica guardado na memória.

Três meses antes ele a viu, de longe, mas a viu. Estava sem óculos e procurou as lentes para ter certeza de que se tratava de fato de uma mulher bonita. Era noite e ela estava próxima à fogueira da festa junina. Rodeada pelas amigas, as labaredas coloriam sua tez com tons alaranjados que a deixavam ainda mais linda.

Depois de observar por alguns longos minutos, resolveu comprar um quentão. Acabou encontrando uma amiga, com quem conversou por alguns instantes e comentou sobre a moça que estava do outro lado da festa, e que atraía para ela os olhos gulosos e curiosos do Dom Juan em questão.

Encorajado pela amiga, suspirou, sorveu um longo gole do líquido quente que estava em suas mãos e foi em sua direção, disposto a perguntar ao menos o nome da moça que despertava sua curiosidade...

  • continua...

Um comentário:

  1. adorei o seu blog, mto bom!!
    se alguem quiser dar uma olhada no meu, eu até fiz a pouco tempo...
    bjo

    ResponderExcluir