14 de novembro de 2008

Equações e pronomes

Aos 23, entendi que algumas coisas, e o amor é uma delas, só funcionam direito se forem oito ou oitenta. E não adianta querer algo e não tomar certas atitudes, certas ações. Uma vez que cada escolha requer uma renúncia, afinal tudo tem seu preço.

O fato é que quanto maior a renúncia, talvez (e sim eu disse talvez, porque nem sempre a vida é previsível assim) maior seja também a recompensa.

É estranho ver o amor como um objeto de cristal que ao se quebrar nunca mais voltará a ser o mesmo, será que de verdade é assim? Será que um amor antigo depois de muito tempo por mais que ainda exista não é mais possível por conta das mágoas causadas e sofridas?

Até onde o que sentimos é fruto daquilo que desejamos, daquilo que nos permitimos sentir?

Entre ter um amor morno e uma paixão momentânea porém arrebatadora, o que é melhor? O que você escolheria?

A certeza de amar, de continuar amando, continuar querendo, a certeza de querer por perto ainda existe. O que falta é aquela segurança, segurança de que posso contar, de que ao final o resultado dessa equação seja um, não uma só pessoa, mas a certeza de que ainda seremos "nós" e não simplesmente os pronomes "eu" e "você".

9 comentários:

  1. Prefiro o "eu & você" que ao "nós". Pelo menos, no contexto atual da minha história de vida: já que, em outros momentos, desejava mais o "nós". Engraçado é que, quando estou sem ninguém, acho esquisitíssimo o ter estado com alguém; aí, sem mandar aviso nem recado, como um raio que surge no alto num céu azul sem nenhuma nuvem, me vejo envolvido com alguém e passo a achar incompreensível, como podia ter passado tanto tempo, sem estar envolvido com ninguém e sem absolutamente nenhum desejo, de estar com alguém =)

    ResponderExcluir
  2. uma paixão momentânea arrebatadora, com certeza.

    ResponderExcluir
  3. Amar é verbo que só pode ser conjugado no plural. Amar "separado" é o mesmo que amar sozinho.

    Adorei teu blog!
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Amar é se entregar, é deixar o outro tomar conta de você e pra que o morno esquente, só assim.. conversa e confiança!

    =**

    ResponderExcluir
  5. Eu fico com o Amor sempre, o que não quer dizer que ele será morno. Sentimentos arrebatores assim como vem...vão deixam até lembranças (boas ou não), mas o amor? ah esse sim vale a pena levar adiante.
    O amor quando chega no "morno", talvez já tenha perdido a graça ou não fosse amor.

    ResponderExcluir
  6. Priscila, bem como trainee, levei um bota fora da Unilever.
    No problem, eu supero.
    Até o presente momento programo ir para a Europa em 2009. |Se tudo der certo!!
    Legal seu blog.
    "O amor é uma faca de dois gumes, não amar é sofrer e amar é sofrer demais".

    Por enquanto sou adepta da 1ª opção. E vc??


    PS: Como não sabia como responder seu comments, escrevi aqui.

    Até!

    ResponderExcluir
  7. Gostei muitos dos seus textos! Gostaria que visitasse meu blog também, ele nasceu tem dois dias, mas pretendo cria-lo com muito carinho.
    Um abraço

    www.oquenaofalo.blogspot.br
    Ana Paula

    ResponderExcluir
  8. Olá, obrigada por comentar em nosso blog. Quanto ao seu tópico, hoje acredito mais na paixão que no amor... preserva a individualidade e dá um friozinho gostoso na barriga... mas talvez isso possa ser só consequência do fim de um amor de 3 anos e meio...

    ResponderExcluir
  9. Ah, que lindo, Pri...

    Eu sempre gostei do "nós"...
    É sempre tão mais bonito.

    ...

    ResponderExcluir