18 de março de 2009

Todos iguais

Desde criança tudo o que a gente aprende é por cópia, por imitação. A gente aprende a falar, andar e outras mil coisas imitando os adultos, tanto que, muitos educadores dizem por aí que não tem como pedir pra uma criança ficar quieta berrando com ela. Ela associa as ideias de forma errada. Tudo isso pra integrar, pra fazer parte. A gente copia quem está a volta como forma de ser igual aos que nos rodeiam. Aprendemos a escrever copiando as letras da lousa e por aí vai.

Tanto que nessa de imitar surgiram os famosos "Memes" de internet: aquela brincadeira que passa de blog em blog e por aí vai.

O problema é que a ninguém é igual a ninguém. Tudo bem que isso também não quer dizer que uns sejam melhores que os outros, mas o fato é que rola todo um conflito com igual e diferente, seres únicos, indivíduos e o ser parte da sociedade, o ser parte de algo, integrar e interagir.

A gente vive buscando aceitação, isso é fato. Uns começam a fumar por conta disso: fumam pra serem iguais aos amigos na escola. Outros bebem. Bebem para não ouvirem o "Não aguenta bebe leite". A todo instante, mesmo sem querer a gente copia.

E que conflito fica na cabeça, hein? Que mistureba doida é essa?
Sei lá porque isso me lembra de algo que li em algum lugar (não duvido que tenha sido Paulo Coelho ou algo no gênero) que dizia que Deus criou o mundo em seis dias e depois descansou (ok, essa parte eu sei que está na Bíblia). O fato é que Ele descansa até hoje. E se Ele descansa quer dizer que Ele não cria mais nada desde então, e se nada mais foi criado, o que temos hoje são transformações de coisas já criadas, semelhantes por assim dizer. Louco isso não?

Nessas pirações lembro também de uma aula da Pós-Graduação, onde o professor diz que ideias não são propriedades iguais as, humm... maçãs. Isso mesmo: Maçãs! Se eu tenho uma maçã e dou a fruta pra alguém o lógico é eu ficar sem e a pessoa com, certo? Já as ideias não. Se eu tenho uma ideia e te conto, não deixo de ter e ela não passa a ser sua. Cópia. Conhecimento. Ideias loucas nessa cabeça oca.

É tanta coisa que a gente copia mesmo sem saber. Sempre tem uns que querem ser diferentes, e são. Mas se fica na moda logo é copiado. De certa forma a gente só copia o que é bom.

E ser copiado? É bom ou ruim? Eu diria que depende. Criar moda é legal, mas plágio, por exemplo, não. E onde fica esse discernimento entre certo e errado? Bem aí a gente copia o bom censo e os costumes de onde vivemos.

A gente convive com essa dualidade de ser único e igual ao mesmo tempo.
Engenheiros entendeu bem essa sacada em Ninguém = Ninguém quando canta:
"São todos iguais
E tão desiguais
uns mais iguais que os outros..."

4 comentários:

  1. "Ele não cria mais nada desde então, e se nada mais foi criado, o que temos hoje são transformações de coisas já criadas, semelhantes por assim dizer. Louco isso não?"

    Penso nessa idéia, e lembro de outra frase que li não sei na onde também. Algo como o ser humano não ser capaz de criar, apenas transformar, juntar idéias e transformar em algo novo, isso pra mim se chama EVOLUÇÃO.

    E a sacada ao meu ver, é o simples fato de tentarmos viver em sociedade, com cargas "copiadas" por toda a nossa vida...

    ResponderExcluir
  2. Demorei para acreditar que eu era igual a alguem ou algo, depois de muito tempo descobri que virei uma mistura de filmes e musicas dos anos 80.

    como você disse "É tanta coisa que a gente copia mesmo sem saber."

    Subtil

    ResponderExcluir
  3. Sempre leio e nunca comento..

    apartir do momento que fazemos parte de um grupo acredito eu é pq temos algo em comum..

    e nao necessariamente copiado um do outro, mas algo que vimos por ae e gostamos e de boa..rs...felizes com isso..rs..

    nao vejo mal com isso de ter ideias gostos..e vontades igual dos outros..

    com tanto que nao seja chupim..r.s.

    a aquela dose saudavel..rs..

    =]

    ResponderExcluir
  4. MENIIINA, li textos seus na capricho e fiquei boba !
    adorei seu blog !
    bjsmil *

    ResponderExcluir