20 de janeiro de 2010

Eu não entendo as entrelinhas...

Acordo.

Reviro pela cama, procuro pelos cantos os sonhos e os planos que eu fiz.
Como num filme de terror todas as imagens, as palavras, as entrelinhas voltam a aparecer.

Imagens mentais parecem querer me lembrar que talvez o meu destino seja esse: sofrer de amor.

Maldita seja essa vida de coisas intensas, amores intensos, dores intensas.

"Lágrimas contidas viram fel".
Tudo está muito estranho e vejo teorias conspiratórias em todos os cantos.
Ninguém serve a dois senhores.

Que peso tem?
Até que ponto alguém pode abrir mão dos próprios interesses pelo bem alheio?

Lembro-me de quando eu disse que pra ter um relacionamento, só gostar não basta, tem que querer... Mas só querer, também não basta. É preciso gostar, é preciso amar.

E amor talvez seja a única coisa que tenha faltado. Ou não... Não sei...

Filme triste, que me fez chorar...
Eu choro não querendo demonstrar toda a dor e decepção.
Eu tento não chorar.

Vesti novamente a armadura. Por perto eu consigo me fazer de forte.
Mas ser forte não quer dizer que eu tenha esquecido...

São tantas perguntas, tantos questionamentos, tantas coisas que eu não entendo.

2 comentários:

  1. Olá! Cheguei até aqui procurando um texto da Clarice no google, mas me deparei com esse texto e, senti como se eu estivesse acabado de escreve-lo...Foi como o meu dia! Espero que consigamos entender tudo, logo...

    Tenha um bom dia!

    ResponderExcluir
  2. Eu estou sem palavras!
    Mas sabe... Talvez algum dia possamos entender o sentido disso tudo . Se é uma sina ou falta de sorte. E até mesmo, falta de alguma coisa !
    bjs, Dri!

    ResponderExcluir