25 de abril de 2010

Bom dia

Shut up and let me go! Hey...

O domingo amanheceu sem que eu percebesse. A janela fechada do escritório impedia a luz de fazer a sua entrada, sempre tão esplendida. Quando me dei conta, já eram seis e tantas da manhã.

Entre as notícias, entre tantas palavras, procurei alguma coisa que preenchesse o vazio do estômago, quiçá esquentasse a alma.

How bizarre, how bizarre dizia a música, dando a impressão que falava da minha vida, que realmente anda bizarra.

Passado e presente se misturando, fazendo com que a minha cabeça entre num ritmo tão alucinado, tão frenético e ao mesmo tempo tão controlado.

Não surtei com a ausência.
Sei que sinto falta e sei exatamente do que eu sinto falta. Acho que por saber disso a falta que faz me é indiferente.

Tenho lá meus surtos de bondade, meus momentos de preocupação, mas a consciência de saber que é um esforço inútil, deixa minha consciência tranquila.

Pessoas não são objetos. E ouvir de alguém que está usando todos ao redor numa preocupação egoísta e egocêntrica e outros egos e eus mais, me fez ter uma certa repulsa.

É... A vida anda mesmo bizarra.
Desconhecer, desconstruir, desapegar.

Por entre nuvens um sol tímido.
Por aqui, uma dor aguda.

Strokes, Someday.
Encerra-se aqui mais um daqueles posts sem pé nem cabeça.

Alguém, por favor, me manda um café?

2 comentários:

  1. Fiquei com a música na minha cabeça haha.

    www.mamae-dizia.blogspot.com
    Beijos.

    ResponderExcluir