13 de abril de 2010

Just another night in Nantes

Esse misto de não-sei-o-quê com não-sei-onde.
Esse bando de coisas que eu não entendo. Esses sentimentos ruins, essa mágoa de um alguém que mudou.

Essas perguntas.
O velho passado de sempre. O mesmo passado de três, quatro anos atrás.

Esse meu medo de machucar um velho coração.
Essas lágrimas.
Esses pronomes. Essas histórias. Remakes de uma vida sem coisas sólidas.

Nobody raise your voices
Just another night in Nantes
Nobody raise your voices
Just another night in Nantes


Nova fase. Velhas pessoas.
Deixar pra trás.
Perguntas, perguntas, perguntas.

Vale a pena?
Valeu a pena?
Qual a importância? Houve importância?
O que ainda é importante? Devo me importar?

Certo? Errado?

É tanta coisa, meu Deus. É tanta coisa.
Crer pra ver ou ver pra crer?

Essa solidão, que hora trás paz hora trás lágrimas.
Hora me lembra que estou mais feliz assim, hora lembra que ainda falta algo.

Que caminho trilhar?
Esquecer ou resolver?

Cuidar.
Senso de justiça ou deixar aprender?
Repreender? Se for ver, não sou mãe de ninguém.

Trabalho, dinheiro.
RES-PON-SA-BI-LI-DA-DES.

Cada palavra vai surgindo.
Não sei o que escrevo. Não sei onde quero chegar.

And I'll gamble away my fright
And I'll gamble away my time
And in a year, a year or so
This will slip into the sea
Well it's been a long time, long time now
Since I've seen you smile

Nenhum comentário:

Postar um comentário