8 de abril de 2010

Repetições

Saí armada do meu melhor sorriso, meu melhor olhar.
Aquele que despe até a puta mais puritana.

Saí. Saí atrás da loura, junto do moreno alto, barba por fazer e alguns quilos a mais.
Peguei meu melhor sorriso e distribui entre putas, puritanas, safadas, certinhas, distribui como distribuo meus conselhos entre Capitu's, Lóri's, Cecílias, Bentos, Anas Terra. Altos e baixos da vida.

"- Buenas e me espalho. Nos pequenos dou de prancha nos grandes dou de talho."
Mais um entre tantos devaneios, mais um capitão entre outros Rodrigos.
Mais um veado, mais uma puta na minha vida. Mais um irresponsável com os sentimentos alheios.

Meu bem, eu te avisei.

A loira, gelada, estalada, aberta, derramada, decora o copo antes que a minha sede o esvazie. É um desejo de embriaguez, é uma felicidade contida. É um sorriso de canto, um sorriso safado, tão safado quanto a sujeita das tuas mentiras.

O sorriso está ali. Safado. Ligeiro. Verdadeiro.
"Verdades!" Vou repetir isso till the end!
Mais uma cerveja, por favor? Essa embriaguez alimenta meus dedos, meus pensamentos, meus desejos.

Quero uma noite de sexo e nada mais. Quero não ter que acordar ao teu lado, quero apenas o teu corpo pra mais uma entre tantas outras fodas, uma foda e nada mais.

Fui o Luke O'Neil da dona Meggie Cleary! Pássaros Feridos. Corações feridos, remendados, cicatrizes, marcas. Aliás lembra daquelas marcas do nosso sexo? Ficaram mais marcas do que deveria.

E tudo se mistura.
Let's make love and listen death from above, eu cansei de ser sexy, todo mundo cansa;

Palavras e mais palavras, vão surgindo, aparecendo, eu quero esgotá-las.
Quero... Quero? O que eu quero mesmo?

E esse meu medo de conjugar amar no passado? Será que se eu disser hoje que "amei" serei filha da puta? Filha da puta foi... Deixa pra lá, let's get it on. Let's move on, let's walk on, já diria Bono, o bom, Bono voz, voz do povo, voz de Deus.

Palavras e mais palavras. Estou me repetindo. Como sempre.
Eu sempre me repito, você não percebe?

Delírios. Mais uma cerveja.
É a minha sede pelo novo, é minha gana de viver.
Estou me reerguendo ainda. E vou voltar ainda melhor. Eu aprendo com meus erros. Ou tento. Tento não repeti-los. Eu me repito mas não repito meus erros.


p.s.: acho que ando lendo Caio F. Abreu mais do que deveria.

Um comentário: