9 de janeiro de 2011

Uma ilha de saudade

Amo o calor, mas das saudades que sinto a da tua pele sempre fresca junto a minha é a saudade que mais me dói.
Notei que não sei não falar teu nome, como se fosse uma prece invocando sua presença.
É, eu sei, você odeia praia, sol, areia e mar... Mas tudo bem, sua presença sempre é mais importante.

Aí fico horas contando e recontando sobre nossa história de amor.
Sobre como a fisioterapia pro meu coração fez efeito e como ele voltou a bater forte e sadio. Falo como meu sorriso fica mais bonito e mais feliz quando você está por perto e como essa distância toda me faz sofrer em silêncio...

Me isolo, e tudo o que vejo ao redor é um mar de saudade, tão grande, tão forte, que a correnteza de pensamentos me cala... Enquanto calo, falo por dentro. E pra dentro vou declarando cada gota do meu amor.

Como camarão. Me torno um camarão. Lembro do quanto você gosta. Ligo, faço piada, nada disso basta... Preciso do reencontro!

Nenhum comentário:

Postar um comentário