21 de março de 2011

crase

minha prosa é rasa e leve.
não pesa os anos que tenho, não é profunda como meus sentimentos

pouco verso e muita prosa, o inverso do verso rabiscado em frases curtas
zero e um, um e zero, digito os digítos
digital
marca única como essa minha falta de estilo, essa minha falta de classe
as vezes, falta de crase.

não conto os pontos
mal pontuo
deixo sem sinais gráficos pois a mim me bastam os outros sinais
no espelho a ruga, entre os cabelos o fio branco

levo bem mais que experiências para ficar proseando por aí

15 de março de 2011

Borboleta de março

Tradicionalmente nessa época do ano, querendo ou não, eu vou me fechando.
Sei lá o porque, mas a proximidade do meu aniversário faz com que eu entre no meu casulo e assim permaneça durante um tempo. Março dói. Março dói e ao mesmo tempo traz uma alegria silenciosa, alegria que não precisa ser escancarada aos quatro cantos do mundo.

Talvez essa alegria silenciosa seja por saber que depois do casulo vem sempre a borboleta.ok, isso ficou gay

Sei lá, percebo que a idade, e mais do que a idade: a responsabilidade, chegou porque meu mundo não para mais pelos mesmos motivos que parava há dez anos atrás.

O show tem que continuar, continuar, continuar...
Aí eu fico bancando a forte pelo tempo que durar, quase da mesma forma como canta Marisa Monte...

Não sei quem foi que decretou que adulto não chora ou não tem sentimentos, ou qualquer coisa do tipo...
Meus dias não andam sendo os melhores, mas também sei que já passei por coisas piores, aliás coisas que só foram piores porque eu não tinha maturidade para aguentar a barra sozinha como faço hoje...

É pau, é pedra, é o fim do caminho... É dinheiro que falta, é um abraço e um carinho...
São as lágrimas de março me afogando um pouquinho...

12 de março de 2011

Outra vez

Não é amor já há algum tempo. Ficou aquele sentimento de posse, algo que até pouco tempo atrás eu sabia que era exclusivo.
Do carinho que restou, uma parte minha amarga egoisticamente a razão dos teus novos sorrisos. O melhor abraço, o melhor lugar do mundo era algo que pertencia a mim e a mais ninguém.

Por conhecer-te tanto e tão bem, conheço também o brilho do teu olhar quando fala de outro nome que não mais o meu. E sinto falta de saber me senhora dos tuas lembranças.

Outra vez.
Outra vez a gente se encontra e eu repenso em tudo o que passou. Te agradeço por ter contribuído na formação de tudo o que eu sou hoje...
Outra vez me pergunto perguntas sem respostas.
Outra vez, canto aquela nossa canção.
Com uma lágrima te vejo partir. E só posso desejar, que de coração (apertado), te façam feliz.

11 de março de 2011

Marte

O fato é que eu não quero que você se dobre, desdobre e faça todas as minhas vontades. Não quero alguém que obedeça. Quero alguém tão cabeça dura quanto eu quando o assunto é defender opiniões ou coisa do tipo.
Não vou justificar usando um signo astrológico, é ser rasa demais com algo que merece mais atenção. Não é a posição das estrelas que me faz ser assim, é o perfil com o qual eu me identifico.

Gosto de uma boa briga. Gosto ainda mais de uma boa reconciliação. E uma boa briga não é uma briga grande, escândalos e barracos. Boa briga para mim é aquela onde no final não tem vencedor, onde ao fim ambos crescem, porque se conhecem um pouco mais, porque permitiram dizer o que se pensa e o que se sente.

Ninguém é igual, ninguém pensa igual, ninguém age igual. Isso nos torna, antes de tudo: indivíduos, únicos, particulares. Justamente por isso saber brigar é uma qualidade que admiro tanto.
Barraco é pra qualquer um. Desce-se das tamancas, grita-se com ou sem argumentos (na maioria das vezes: sem) , uma boa batalha é para os nobres, para os inteligentes, para os que conhecem o inimigo.

Me dou ao luxo de não guerrear com qualquer um. Quero sempre alguém tão bom quanto eu, e até mesmo melhor. Todas as lições da sua vida com certeza você aprendeu com alguém que sabia mais do que você.
Tenho, sim, vontades desejos e expectativas. Tenho ambições. Só que também acredito que o que vem fácil, vai fácil.
Gosto das conquistas. De todas elas. Gosto de lutar por um sorriso e mais ainda: gosto que lutem por um sorriso meu.

Gosto de argumentos bem construídos, quase tão sólidos quanto aço.
Me estude, me entenda, conheça-me como se eu fosse seu maior inimigo e me atque, ainda que seja com beijos ou palavras carinhosas, não sei qual a sua melhor arma para me convencer ao que quer que seja, mas não desista de lutar.

6 de março de 2011

Certezas de um sábado de carnaval

Sabe quando do nada bate aquela certeza de que você é uma das pessoas mais sortudas da face da terra? E que Deus deve ter te olhado por alguns instantes e dito: "Ei, essa é minha demonstração de carinho por você"?

Pois é, sábado de carnaval (na verdade já é domingo), eu em casa, ao melhor estilo #foreveralone, comecei a me dar conta de detalhes que fazem a minha vida um pouco mais bonita a cada dia.

Um desses detalhes tem a ver com o meu atual relacionamento. Sério. Eu não tenho do que reclamar. Se por um lado eu sofri e fiz sofrer, por outro tenho a certeza que, mesmo com a distância, tenho ao meu lado uma das pessoas mais incríveis que já conheci.

Acho que eu nunca deixei claro, ou talvez nunca tenha expressado isso da maneira como deveria ser feita, nunca disse com todas as letras e sinais gráficos o quanto tudo isso me deixa com um sorriso bobo... Mesmo depois de tantos problemas, mesmo depois de tanta gente se metendo e atrapalhando, mesmo depois de tantas confusões, saber que eu tenho alguém, e que alguém também pode contar comigo, é algo que traz uma sensação de alívio.

Ninguém ou nenhum relacionamento é 100% em 100% do tempo. E nesse caso os momentos bons fazem valer todos os esforços, todos os gastos, todas as lágrimas já derramadas.

Meu coração hoje está repleto de saudade e sedento por construir lembranças ao lado de alguém especial, de alguém que eu já tenho e que justamente por já ter, me faz feliz.

Bom carnaval pra vocês todos!