21 de fevereiro de 2013

Pra você entender

Quando eu disser: "Eu te amo", acredite.
Quando eu disser: "Sinto sua falta", acredite.
Quando eu disser: "Estou pensando em você", acredite.

Mas quando eu disser apenas um "oi" num e-mail de fim de tarde, num sms qualquer, ou simples "bom dia", entenda e acredite que estou dizendo tudo isso ali de cima e muito mais.

Quando eu disser "Oi" entenda que a saudade por aqui bateu forte e apertou o peito.
Quando eu disser "Bom dia", entenda que as lembranças - por mais recentes ou passadas que sejam - estão presentes.
Entenda que quanto menos palavras, no meu caso, quer dizer que há mais sentimento. Ou que estou procurando uma maneira de dizer tudo o que penso. Ou sinto. Mas eu nunca digo. Nunca. Por mais que "sempre" e "nunca" sejam expressões que eu não costume/goste de usar.

Eu fico sem ação.
Sem reação.

Quando eu digo "oi" espero uma resposta. Espero um "Eu te amo, também".
Porque mesmo não dizendo, eu digo. No meu silêncio, no meu canto.
Nas atitudes.