25 de julho de 2017

Estou há uns bons dias pensando em sexo.
Numa vontade absurda...

Numa escala de desejo o primeiro nome é o mais impossível.
A bem da verdade, eu super ia curtir outra visita em São José. Ou um dia inteiro em SP.

Preciso resgatar uns contatos na agenda.

Fragilidades

Acordar com toda a cólica do mundo.
Socorro, eu quero a minha mãe.

Leveza

Hoje ganhei elogio até da terapeuta.
Estou leve.

Acho que o fardo de saber que
1. Não estou grávida
2. Não estou me obrigando a te esquecer
3. O que importa é como eu me sinto em relação ao que sinto
4. Eu e mamãe estamos bem
5. Trabalho tá relativamente Ok
6. Acreditar em algo faz bem e eu acredito em mim

Enfim... Tá leve. Tá gostoso. Tô gostosa.

24 de julho de 2017

Respirar aliviada.
Por um final de semana eu achei que pudesse estar grávida.

Papai do céu, tá aprontando com esse coração. Mas sabe que por alguns instantes enquanto ainda estava na incerteza eu fiquei feliz.
Agora to expert em sinais de gravidez. E conhecendo um pouco mais do meu corpo.

Ia ser algo diferente. Agora que eu sei que não tô, e que conheci os diferentes testes de farmácia, é até engraçado pensar no assunto.
Eu ainda vou ter filhos. =) Só não vai ser agora.

E eu preciso me cuidar, né?

Cartas sobre o final de semana

Desistir de esquecer!
Mudança de opção que trouxe paz.

Acho que tem muito a ver com eu querer o impossível. Esquecer, neste caso, é.
Abrir mão de coisas que eu não consigo traz uma paz.

Ok que tô aqui com uma senhora vergonha de ter mandado mensagem bêbada... E tô num arrependimento profundo. Já foi.
Bola pra frente.

Foco agora é: juntar dinheiro. Seja pra comprar minha moto, seja pra viajar, seja pra fazer os dois. Seja pra fazer isso e muito mais.
Sábado foi aniversário da minha mãe e da Lívia, minha prima.

É engraçado como a família se surpreende e adora quando eu apareço. E como é gostoso beber com meus tios, tias, primos e primas.

Nessas horas que penso como é ruim trabalhar sábado domingo e feriado: tô perdendo os filhos das minhas primas crescendo.
Eu continuo querendo dividir coisas boas com você. Já desisti de te tratar na terceira pessoa, cada registro aqui é uma conversa comigo e com você ao mesmo tempo. Cartas pra um amor que não vai voltar. E não acho isso triste, porque considero o amor bonito, belo, sagrado.

Pode brigar. Serei fiel. Não a você, mas ao que eu sinto. E era essa a diferença, era isso que me tornava incrível: minha fidelidade a mim mesma. Eu sou meu próprio Norte.

23 de julho de 2017

22 de julho de 2017

Era pra dona Priscila estar dormindo, mas no momento não estamos trabalhando com o quesito sono.

Tô com uma parte da letra na cabeça, não desgruda de maneira alguma:

"And if you cried out for more
If you reached out for me
I would run into the storm
Just to keep you here with me
I have gone beyond my years
I've wasted half my life
But I found it all in you
Did I save you?
'Cause I know you saved me too"

Sonhei com você a noite passada.

21 de julho de 2017

Leve

Eu tô em paz com algumas coisas.
Eu resolvi parar de tentar esquecer a qualquer custo. Acho isso estava me frustrando: querer esquecer e não ter êxito.

Era uma sensação que contribuía com aquela coisa de me sentir impotente.
E toda vez que penso nisso eu lembro da conversa em Santos... "Qual o pior sentimento do mundo?"

Não dá pra esquecer muita coisa.
Eu não vou esquecer. E nem quero. É tanta coisa sensacional. Assim como o sentimento que eu carrego comigo, que também acho sensacional.

Hoje voltando do trabalho deu vontade de ir direto pra SP só pra tomar um café com você. Ou com ela. Saber que você me lê por aqui é como se você tivesse o super poder de ler minha mente... Nunca sei se falo na terceira pessoa ou não.

Eu voltei sorrindo pelo trajeto. Um sorriso leve. Gostoso de satisfação. E eu sorria porque estava pensando justamente no que eu sinto. E eu acho isso que eu sinto tão bonito.
Eu fico me perguntando como é que tendo uma coisa tão bonita assim dentro de mim eu me deixei abater tanto?
Não faz sentido. Nenhum.

Eu só tenho a agradecer, porque entre 7 bilhões a gente se encontrou a sua existência fez (e faz) uma enorme diferença na minha vida.
Só tenho a agradecer por perceber que por conta desse sentimento eu consegui ser uma pessoa melhor, reconhecendo me um pouco mais humana e permitindo me errar um pouco mais.

Vou dormir feliz.
Hoje foi um dia bom.
Achei engraçada a conversa da tarde, mesmo sabendo que a gente tem pontos diferentes sobre o assunto.

4h23.
Tô sorrindo. E não pretendo parar de sorrir tão cedo.
Acho que é isso.
Boa noite. Bom dia.

20 de julho de 2017

Andando

Duas e dezoito da manhã.
Eu deveria estar dormindo mas tô aqui, pesquisando sobre pós graduação.
Não sei se volto pra Gestão Empresarial ou se começo do zero Gestão de Negócios, sendo que a segunda opção seria presencial.
Penso que uma pós presencial vai mudar minha rotina, conhecer gente nova, network, essas coisas.

Não faço a menor ideia de que rumo tomar na vida.
Juro que tem horas que sinto vontade de fazer outra faculdade e ir fazer outra coisa da vida.

Antropologia? Direito? Sociologia?

Ontem consegui colocar um pouco de ritmo nas coisas por aqui. Levei o desktop e o aparelho de som do meu pai para arrumar.
Meu desktop tem um tempinho estava achando que era um avião... Aquela velha coisa do cooler da fonte que resolve não funcionar.
Até agora nada de orçamentos recebidos.

Daqui a pouco preciso ir almoçar.
Na real eu não queria ir. Odeio despedidas. É, talvez, meu último almoço com a Paloma. Domingo tá logo aí.
Eu não quero pensar sobre isso. Não quero pensar que ela tá indo passar um ano fora. Skype pra que te quero.

Começo a me programar pras férias do ano que vem: Nova York. E quem sabe um pulinho no Canadá.

O coração está mais tranquilo.
Eu estou mais tranquila. O que não quer dizer que eu deixei de gostar.
Aliás, eu acho que nunca vou deixar de gostar. But let her go. Aliás, acho que já te deixei ir faz um tempo.

Querer. Poder. Saber. Sentir.
4 coisas bem distintas.

O que eu quero? De verdade? Que você volte e a gente faça igual a canção: "Tente outra vez".

Eu posso?
Não, eu não posso. Não posso esperar uma iluminação divina, uma pancada na cabeça, uma mudança de opinião.
Pode não parecer, mas eu respeito suas decisões. Ou tento.
Eu não posso esperar que você aja de acordo com as minhas expectativas. Ou como qualquer outro ser humano.

Saber?
Eu sei. De muita coisa.
Pode não parecer também. Mas eu sei. Só não aceito as coisas que eu sei.

Sentir?
Não preciso nem falar, não é?
Eu sinto saudade. Todos os dias.

Não é a saudade que me deixa ruim, que me deixa mal. Não é. É a sensação de impotência que às vezes bate por aqui.

Confesso que ando encucada: Estou tentando lembrar quando foi que eu disse pra você largar tudo e ficar comigo. Eu lembro de dizer que se acaso você quisesse fazer isso eu estaria do teu lado. Qualquer que fosse a maneira de continuarmos. Mas tudo bem. Já foi...

Acho que eu só precisava colocar essa ideia pra fora pra dar uma aliviada aqui.

Eu ando querendo escutar coisas novas, mas tô evitando ao máximo ir falar contigo. Acho que você merece uns dias de paz.

Ando pensando bastante em sexo também. Mas deixa pra lá...

18 de julho de 2017

O Leitor

Resolvi aproveitar a folga pra ver algumas coisas pendentes.
Estou assistindo O leitor.
De certa forma Hannah me lembra você .

20 fatos sobre o meu dia

1. Jogo truco razoavelmente bem
2. Preciso reler Pássaros Feridos
3. Minha ex me chamando pra jantar sem a presença da esposa: achei estranho. Ok que elas estão casadas tem 3 anos, but weird
4. Terapia fez bem hoje
5. A conversa de hoje foi melhor que a terapia
6. Ouço Colbie Caillat " you make me wanna say I do" e lembro dela.
7. São quase 4h da manhã e eu queria que ela fosse parte das coisas boas
8. A psicóloga disse que eu posso sentir saudade, só não posso obriga-la a permanecer
9. Vir me ler aqui é permanecer?
10. Eu amo essa garota. Pro resto da minha vida.
11. Time to move on. But I can't get over it.
12. Lembrar e seguir em frente podem coexistir
13. Sentir saudade e seguir em frente também
14. Eu queria sexo. De verdade. Ainda sinto um puta tesão. Juro que não ia falar nada no dia seguinte
15. 4h preciso subir. Sair do estacionamento e ir pra casa
16. Paloma tá indo embora. Mais uma amiga longe
17. Acho que Deus me escuta
18. A noite foi divertida
19. Vai ficar tudo bem
20. Amo você

Bônus: hoje eu disse sem medir palavras pra minha terapeuta o que te faz tão importante na minha vida. Você é importante pelos motivos certos. Ok que não deu certo.

Bônus 2: acho que a gente joga melhor juntas.

17 de julho de 2017

Eu precisava de uma conversa como a de hoje uma vez por semana.
Eu sou uma criança grande, uma criança velha com uma senhora dificuldade de compreensão.
Olha, eu sei que é pra frente que se anda, mas o negócio é: caralho, com todos os fucking defeitos é você que me dá tesão e me faz sorrir.

Acho que assim fica mais fácil de entender.
Eu sei que eu exagero. Drama. Nobel da literatura. Oscar.
Melhor roteiro.

Dê os devidos descontos.
Paguei por todos os meus pecados.

Todos.

Hoje eu estou mais leve.
Com alguns propósitos.

Você sempre tem razão. Eu preciso me ocupar.

16 de julho de 2017

Carta pra Mari

Ei, bonita. Tudo bem?
Como estão as coisas aí no céu? São Pedro tem mesmo as chaves? Deus é mesmo esse cara sensacional?

Acabei de lembrar de você. Acho que se você ainda estivesse por aqui estaríamos comentando o episódio de Game of Thrones pelo Skype.
Acho que estaríamos tristes pelo nosso tricolor. E acho também que você estaria me consolando por eu ser tão burra por ainda não ter esquecido a bonita lá de SP.

Você faz falta.
Essa semana mais uma amiga minha vai pra longe, e não é longe, tipo pegar uma estrada e 4 depois tô lá, ou pegar um avião e pluft 3 horas depois estou lá. É longe tipo fora do país. Eu tô perdendo todos os colos que tenho.
Acho que se você ainda estivesse por aqui você seria parte da viagem pra Colômbia... E talvez eu já tivesse ido pra Floripa. Talvez eu tivesse ido bem mais que uma vez pra Floripa.

Naquele ano a minha programação era pra o próximo mês de janeiro, mas o cara aí de cima te chamou antes.
Por aqui tá tudo indo. Na real, tá tudo indo de mal a pior. Tá faltando amor próprio. Mas o que deixa tudo pior é que eu sei.

Eu sei de todas essas coisas e de muitas mais.
Da mesma forma que eu sabia que isso não ia dar certo. Ainda hoje eu lembrei das primeiras semanas com a bonita lá.
E eu lembrei que eu a bloqueei. E foi tão fácil no começo, Mari. Não tinha nada pra esquecer.

Agora tem.
Agora tem um monte de coisa pra desapegar. Tem cheiro, gosto, tato. Vozes, risadas. Tem infinitas coisas pra esquecer.
Mari, me diz, como é que a gente desiste de algo bom? Como é que se desiste de algo que a gente ama?

Eu nunca tinha apostado tudo. Nunca coloquei todas as minhas fichas numa coisa só. Nunca. Por isso eu era a fria, a sem sentimentos, a errada da história.
Mas aí veio ela.
E eu não apostava nada. Eu achava que ia dar em nada, mas essa filha da puta (com todo respeito) sei lá como, me fez ver que dava certo. Que estar perto fazia a gente dar um jeito pra tudo.
Ai eu apostei, Mari. Eu apostei tudo. Eu coloquei tudo ali. Absolutamente tudo. Tudo o que sou. Tudo. Colocaria todo o meu dinheiro. Todas as minhas forças.

Mas eu perdi. E perdi o rumo.
Sabe esses viciados em crack que saem de casa e perdem a noção de tudo. Eu to quase assim.
Tô questionando se tem alguma droga que me faça parar de pensar. Porque eu não quero morrer, embora às vezes eu ache que essa seja a solução mais prática pra resolver tudo isso.

Não briga comigo, Mari.
Eu sinto sua falta.
Ontem uma amiga veio me perguntar como eu estava, porque ela me conhece como poucas pessoas, então ela sabe que as coisas por aqui não estão nada bem... Acho que ela definiu bem minha atual situação "A gente se sente injustiçado, desprezado, não Amado por ninguém"

Eu só queria amor. E amizade pra mim também é amor.
Mari, se você estiver perto de Deus agora, pede pra ele olhar pra mim. Fala aí com ele, por favor.
Porque eu não aguento mais. Essa situação tá insustentável.

Eu bati na trave no café de sexta. Eu achei que estava tudo bem, mas saber que o motivo que faz ela me vigiar não é um bem querer me matou. Eu queria ser qualquer coisa, menos objeto de "culpa".
O que acabou comigo é saber que por mais que eu ache sensacional tomar um café com ela, ela olha pra mim como "um erro", um facepalm.
Um "onde foi que eu errei".

O que me corrói é saber que do lado de lá não ficou absolutamente nada.

Alguém, por favor, desliga os aparelhos que ainda me mantêm?
Estou exausta. Cansada.

Não aguento mais pensar.

15 de julho de 2017

Sensações

Odeio as noites sozinha em casa.
É quando vem as piores sensações.
É quando me sinto mais sozinha. É isso. Eu me sinto sozinha.
Eu me sinto abandonada.

É essa a eterna sensação: de abandono.
É um terreno abandonado onde cresce erva daninha. O jardim que antes era belo e bem cuidado foi abandonado.
Parece que nem eu gosto mais de mim. Eu não sei quem sou. Eu não sei como eu era, ou o que me fazia incrível.
Eu não sei voltar nesse caminho. Porque não tem volta. Só tem o "seguir em frente".

E não dá pra passar com um rolo compressor por cima de tudo isso.
Desculpa, eu não sei fazer isso sozinha.
E o que eu mais me sinto agora é: sozinha.

Me sinto pequena. Incapaz. Irrelevante.
Incapaz de cuidar de mim. Incapaz de ser gente grande.

Por quanto tempo eu passei por cima das coisas em nome de uma maturidade?

Na minha cabeça é insano jogar fora algo que é bom.
E era bom. E é bom.

Não tem como dar reset.

Você não me deve nada. Mas eu queria tanto que você me deixasse chegar perto, que eu pudesse te conhecer um pouco mais, sem essa distância que você insiste em construir ao seu redor.

Sei lá.
Tá tudo estranho.
Eu queria dormir pra sempre só pra não pensar mais.

1/3 das postagens desse blog dizem respeito a você. Não apaguei. Só deixei como rascunho, mas tá tudo aqui ainda.
Desculpa por organizar minhas ideias aqui. Não vou te expor.

Quanto ao sexo?
Não to com cabeça pra isso. Mas até ontem de manhã eu achava que tivesse ficado "só" nisso teria sido mais proveitoso pra ambas.