15 de fevereiro de 2017

Mantra do dia

Eu não vou te ligar. Eu não vou mandar mensagem. Eu não vou nem ligar nem mandar mensagem. Eu não vou ligar. Eu não vou desbloquear.
Eu não vou enviar um email. Eu não vou te procurar. Eu não vou atrás. Eu não vou. Não vou te esquecer. =(

8 de fevereiro de 2017

Você

Eu não posso contabilizar o tempo em que estou sem falar contigo.
Quebrei o jejum e me arrependi. Em partes. Porque a saudade continua aqui.
Saudade das coisas que eu criei. Saudade de lembrar da sua mão sob a minha enquanto dirijo. Da minha falta de habilidade para acender um cigarro perto de você. Aliás, só pra constar, semana passada eu estava tão no mundo da lua, que tentei acender um cigarro pelo lado do filtro...

Saudade do beijo. De você me olhando nos olhos. Do teu sorriso. Você sorri com os olhos às vezes. Você. Você. Você.
Você. Um milhão de vezes você.
Você na cabeça enquanto eu vou correr. Você na cabeça na soneca que eu tiro antes de ir trabalhar. Você. Você.
Você nas coisas boas. Nas coisas ruins. Você na ausência que você deixou ao ir embora sem mim.

Sério, eu paro e me pergunto: por que é que você tem que ser igual a todo mundo e só dar valor quando perder?
Porque eu ainda tô aqui. Eu estou te esperando. Eu tô paradinha, olhando pro celular, esperando você ligar. Eu tô aqui ainda, sabia?
E eu não faço ideia de por quanto eu vou estar... Eu esperaria a vida toda. Eu vou vivendo. Um dia de cada vez. Até tentei abrir o leque, aceitar uns convites pra sair, olhar a agenda e chamar as pessoas. E quanto mais pessoas eu tento enfiar na minha vida mais eu percebo que eu queria estar com você.

Tenho saído bastante com minha(s) chefe(s). E eu só consigo sentir a sua falta. Porque eu sempre sou a pessoa impar. Elas, os maridos, os filhos. E uns papos bons. Uma conversas que eu queria você participando. E você falando de trabalho. Por Deus, eu sou apaixonada por você. Por cada detalhe chato. Por cada chatice sua.

E daí?
De que adianta?
Quem se importa?

Eu sou a única que liga. Eu sou a única que liga?
Eu daria todo o meu dinheiro pra entrar na sua cabeça.

Eu tô me enganando, né?
Eu estou de novo me agarrando em qualquer coisa pra permanecer aqui...

7 de fevereiro de 2017

21:22

Domingo. 21:22
Este é o horário da sua última mensagem.
Depois disso optei por não responder. Embora eu continue olhando o celular e esperando uma manifestação sobrenatural.
É. Sobrenatural. Porque eu sei que você não vai me mandar mensagem.

São mais de 48h.
Um record para mim.
Ok que não falar com você não quer dizer que pense menos no assunto.
Nosso término é um assunto indigesto.

Na minha cabeça tem algumas peças que não se encaixam. É como se eu tivesse dois quebra-cabeças distintos misturados. Tenho todas as peças, mas tem muita coisa misturada. Um deles é quem você é de verdade, o outro, a parte que você demonstra. Ou tenta demonstrar.

Você (me) ama. Peça número 1 de N outras.
Você não vai fazer nada para ficar comigo. Peça número 2 de N outras.
Você tem medo. Peça 3/N.
Você até queria ficar comigo. Peça 4/N.
Você ama sua liberdade. Entenda: você gosta de estar solteira sem dever nada pra ninguém e poder conhecer, pegar, transar com quem você bem entender. 5/N.
Sua liberdade já não te faz tão feliz quanto antigamente. #pinguinwins 6/N

O que nisso tudo é verdade? O que nisso tudo é invenção da minha cabeça?

Eu fecho os olhos e lembro da nossa terça-feira perfeitinha. Eu fecho os olhos e lembro de todas as coisas boas.
Era só o começo, sabia?
É extremamente difícil ver que no final fiquei sozinha.

Malditos pronomes. Nesse emaranhado de tantos nós acabamos sem nós.

Sinto sua falta.

6 de fevereiro de 2017

Câncer

Passei o dia todo olhando o celular, esperando por uma mensagem que não vai chegar.
Não vai ter resposta se não houver pergunta. E eu não quero perguntar se está tudo bem. Eu sei que do teu lado está tudo ok.
Ou imagino.
Não consigo te imaginar sofrendo por amor.

Fiquei uns dias pensando na definição "você é um câncer". Um câncer consome. Há quem resita, quem lute contra, quem se trate e até se cure, mas o câncer sempre vai deixar suas marcas. Uma das coisas que eu sei é que um câncer muda a vida. De um jeito ou de outro.

Eu, claramente, pertenço ao time dos que preferem não se tratar e viver intensamente até o fim. Tomo todas as dores para mim. Acho que preferi encarar que todo mundo morre. E se meu câncer é você, não dá pra fugir muito.

Eu preciso abandonar a falsa sensação de que se eu te der apoio, ou qualquer outra coisa, você vai tentar ficar comigo.
Você não vai e você foi extremamente clara nesse aspecto. Por quê eu estou me enganando?

Sei lá, tem algo aqui dentro que me diz que você precisa mais de mim do que eu de você. E eu meio que inconscientemente concordo com isso.
Talvez por isso, por mais que doa para caralho, eu insisto em alimentar minhas esperanças de que não chegamos ao fim da nossa história.

É inevitável pensar em você.