30 de abril de 2017

Odeio quando você some do nada.
Fico com a sensação de que eu fiz algo de errado.
Eu não sei lidar com o silêncio.

São José dos Campos está fria. É, não tem como negar que eu estou em casa.

7h07 make a wish

Estou acordada faz um bom tempo.
Dormi mal essa noite. Eu nunca fui de ter um sono tranquilo, mas hoje foi pior. Talvez o jantar, talvez a bebida. Ou talvez seja só a minha cabeça que insiste sempre em funcionar.
Já decidi que na minha próxima vida eu quero voltar como cachorro só pra poder ficar perto de você sem problemas.
Nessas horas acho que a morte seria uma solução: quanto antes eu for, mais rápido eu volto.
Mórbido. Eu nunca tive medo de morrer.
Sei lá... É algo que acontece com todo mundo. E não, não estou nenhum um pouco afim de morrer.
Quero longos anos.

Enquanto eu olho pro teto imagino o que você deve estar pensando ou fazendo agora.
Recebi sua mensagem.
Talvez você olhe para o lado e numa última tentativa imagine que sou eu.  Mas acredito que você deve estar dormindo. Você sempre dorme. Das coisas mais bonitas que eu já vi na vida: você acordando. Invejo o corpo que está aí ao lado e que não é o meu.
Talvez você esteja chegando em casa agora. Talvez esteja ainda se arrumando no quarto do motel.
Talvez você se arrependa de ter me mandado mensagem, talvez não.
Eu não acabei com você. Eu te despi. Não só de roupas ou máscaras. Eu te despi a alma quando te mostrei a minha.
Eu nunca tive medo de estar nua perto de você. Até gosto. Gosto que você me conheça por dentro e por fora. E gosto que tua boca conheça o sabor de cada parte do meu corpo. Acima de tudo: gosto de velar teu sono.
De forma poética o cavaleiro ariano serve ao seu senhor.  Eu me identifico com um cavalo selvagem. Desses que não aceita rédeas, mas que é leal, que escolhe a quem vai servir.
Minha palavra é lei.
Até o fim dos meus dias, por tudo aquilo que há de mais sagrado...
Eu não preciso dizer, você sabe.

Numa realidade paralela eu agora estaria assistindo teu sono. Tentando sair da cama de mansinho, sem te acordar pra poder ir ao banheiro. Eu tento.
Eu saio. Mas você acorda ainda assim, pois sente falta do calor do meu corpo.

Momento engraçado: eu realmente fui ao banheiro. Topei com a minha prima no caminho. Seis anos de idade. Minha vontade de ter filhos só aumenta. Minha cabeça foi pro futuro e pro passado ao mesmo tempo, porque eu lembrei o quanto eu quero que você seja a mãe dos meus filhos. Dos nossos filhos.  Lembra s uma vez que você me perguntou se eu conseguia me ver tendo uma família contigo e eu te descrevi uma cena?
Esse encontro num domingo de manhã com a minha prima pela casa poderia ser nosso. Poderia ser um filho nosso, tão sem vergonha quanto eu, que não consegue dormir igual a mim, que fica perambulando pela casa de manhã.
Duas realidades possíveis: se isso acontecesse de verdade hoje você iria ganhar café da manhã super especial. Na cama? Talvez na cama. Ou aqueles com a mesa inteiramente arrumada.

Voltando a hora em que você acordou lá em cima. Eu voltaria pra cama te olhando de um jeito que você sabe que só eu te olho... E te encheria de beijos enquanto você tenta dormir mais. Eu adoro te provocar. Eu adoro te deixar com tesão...

Eu quase sinto teu cheiro em mim.
Em outra realidade nesse exato momento a gente se ama sem culpa, sem roupas, sem máscaras. Sem se preocupar em abrir a janela porque o perfume do nosso sexo exala e toma conta do lugar.

7:49

29 de abril de 2017

MG 2

Família em casa. E eu te querendo mais do que tudo na vida. Pra absolutamente tudo. Pra andar de mãos dadas nessa cidade pequena, pra cozinhar pra você, pra ir dormir e acordar com sexo. Pra roubar beijo, pra ouvir sua voz, pra ouvir sua risada, pra fazer mais sexo. Eu sinto a sua falta. Eu faço poesia (?).
Eu quero sua pele junto da minha, seus lábios juntos dos meus.

Eu quero você. O tempo passou e vai continuar passeando. Nada mudou aqui dentro de mim.
Eu não sei exatamente quando eu me apaixonei. Eu sei que da primeira vez que eu acordei do teu lado eu já sabia. Eu sei lá de onde eu tirei aquela frase maluca "Você ainda vai casar comigo". Eu no teu lugar nunca mais teria falado comigo.
O tempo foi passando.  Eu fui te conhecendo. E te convencendo também.

Sobre o Instagram: primeira letra de cada sentença a partir do momento em que amanheceu.

Insta

Queria mandar meu Instagram.
Mas não vou.
Eu às vezes me supero no quesito boba apaixonada.

Engraçado essas coincidências da vida.
Eu acordo pensando em você.
Um minuto e meio depois você manda mensagem.
Talvez eu não tenha dito e nem vá dizer...

Bom, acho melhor eu ficar quieta.
Eu já estava pensando em sexo.
Vou continuar.

Da mesma forma que eu estou curiosa, mas não vou ficar em cima pra saber o que houve.
Espero que você me conte.

27 de abril de 2017

Da noite

Eu queria jogar conversa fora... Mas pelo jeito não vai rolar....

Não preciso falar com você pra continuar gostando.
E não é romantizar. Muito pelo contrário. Na minha cabeça é o mais simples. Aliás nós somos uma equação simples. Fácil.
Pena que existe porém. Não um, mas alguns. Não ligo.

Eu sei lá se você lê isso aqui.
Eu acho que não. Aliás algo que me deixa a vontade aqui é saber que esse cantinho é só meu. Aqui eu não preciso ter medo de admitir que ainda gosto. Até porque eu penso 3x antes de dizer eu te amo.

Saudade.
Saudade infinita.
Você me faz querer viver.

De trás pra frente

O problema dos erros é que às vezes eles beijam bem
E olha eu aqui, hein?
Errando de novo
O problema dos erros é que às vezes eles fazem bem
Como ninguém
E a gente fica bobo

Bobo, já sabendo que não vai dar certo
Mas é bem pior não ter você por perto
E se eu for errando assim, vai que eu acerto
Vou adiando o fim só pra viver nesse presente incerto

E se fosse ao contrário, do avesso ou de trás pra frente
Esse amor começaria errado e terminaria bem

12h

Hoje é um daqueles dias em que eu quero te encher o saco toda hora.
Só pra compartilhar coisas pequenas.

A saudade aperta. Mas eu fico tão melhor quando você está "ao alcance".

Tô na dúvida do que fazer pro almoço.
Gosto de cozinhar e estou sem ideias.

Hoje como em grande parte dos meus dias meu primeiro pensamento foi você.

Te deixar 12h em paz. Missão dada é missão cumprida.

26 de abril de 2017

Missing

Ando com tanta saudade.
Me pergunto do que você sente falta.
Eu sinto falta das bobeiras. Da maneira como você me surpreendia as vezes, seja andando de mãos dadas, seja me dando um beijo em público ou ainda a maneira como você sorria pra mim.

Sinto falta da delicadeza do movimento das suas mãos. Da maneira como você tirava o relógio e pulseiras antes do sexo.

Pensando nessa linha, imagino você dirigindo. A maneira como deve trocar cada marcha e cada olhada no retrovisor. 

Eu gosto desses detalhes bobos. É lembrando disso que eu vejo o quanto eu sou extremamente apaixonada.
Brota um sorriso tão natural por aqui. É você ainda tem coragem de dizer que não é o melhor pra mim.
Filha, você não bate bem das ideias.
Você não precisa me comprar com presentes ou comidas.
Você só precisa ser você. E não vem com a ladainha de que eu não te conheço e bla bla bla...

Tô com saudade.
Queria que você tivesse outra recaída só pra eu ter a felicidade de dividir um pouco mais da minha existência com você.
Daria tudo por um café preparado por você enquanto assistimos Adventure Time...
Bocó de tamanho maior, você não faz ideia do quanto eu te amo.

Problema

Eu não sou um problema.
Sou?

A pergunta martela.
Ando. Penso. Faço.
A pergunta volta.

Será mesmo que sou um problema?
Eu quero ser solução.
A solução é sumir?
A solução pra quem?

Minha cabeça não para.
A saudade aumenta

25 de abril de 2017

Sensações

Venho pro quarto e me sinto idiota.
Idiota por chorar.  Aí choro mais ainda.
Idiota por gostar.
Idiota por esperar.
Idiota por conversar.

Idiota. Completamente idiota.
Idiota por sentir mais raiva de mim do que dela.

De fininho

Aquele momento em que você sai da sala pra não chorar na frente do pai

MG

Acordar pensando em você.
Acordar desejando você.
Meu corpo sente sua falta e minha cabeça imagina cenas incríveis nessa manhã fria.
O quarto mesmo com duas amplas janelas permanece numa penumbra interessante. É possível enxergar cada movimento, não com todos os detalhes, mas de forma que o sentido do tato completa a visão.

Ando sentindo falta do seu cheiro e do cheiro do encontro da minha pele com a tua. Algumas coisas não mudam com o tempo. A minha vontade de começar todos os meus dias me alimentando de você é uma delas.

O bem-te-vi canta aqui e acolá. Algum outro pássaro responde. No meio desses sons penso nos murmúrios,  gemidos e respirações...

Pele contra pele. Bocas passeando sedentas. O teu olhar enquanto eu mato a tua sede.

23 de abril de 2017

A racionalidade dela sempre me assustou. Eu sempre me senti a boboca caipira depois que eu me apaixonei. E olha que demorou um pouco.
Eu demorei pra me apaixonar. Eu trato as pessoas bem, sou carinhosa por natureza. Quer dizer, sou? Sou quando eu quero. Já me chamaram de insensível por incontáveis vezes.
O meu desinteresse pela sociedade em geral em parte é patológico, em parte é uma certa arrogância da minha parte mesmo.
Ultimamente ando evitando contatos sociais: é só olhar pra minha semana. É como se ao sair todo mundo pudesse ver todas as minhas feridas.
Eu tô sangrando em carne viva mas tô fingindo que está tudo bem. Então pro resto do mundo eu estou super feliz porque eu fui viajar a trabalho e agora estou em férias. Não, eu não estou reclamando, mas é um saco acordar de madrugada sem ar e demorar pra conseguir voltar a dormir.

Voltando ao medo da racionalidade: acho que pessoas racionais tendem a sofrer menos. E eu sou esse monte de sentimento com os quais não sei lidar.
Acho que eu estou sempre fugindo de enfrentar algo. Sabe aquela coisa de não querer admitir que eu sou um fracasso quando o assunto são minhas relações.
Sei lá, não consigo manter ninguém por perto. É necessário? Não sei. Talvez.

Eu sempre a achei muita areia pro caminhão. Muita. Bem mais do que eu poderia lidar. Sabe quando você acha que você não merece? Eu tenho essa sensação até hoje: eu não mereço. Um senso de inferioridade, de não merecer amor. Ruim? Sim. Tento mudar? Tento. É fácil? Nem um pouco.

Hoje em dia eu me sinto muito mais bonita do que antigamente. Sei das minhas qualidades. Não sou tão burra, poderia ser uma profissional melhor. Poderia ter um padrão de vida melhor.
É, eu me cobro demais.
As minhas reclamações vem de uma vontade de ser melhor. Quem sabe sendo melhor eu encontre alguém que me ame.

A razão é muito óbvia às vezes. Só que eu me perco nesse monte de sentimento bom e ruim que tem aqui dentro.
Não é que ela me equilibre. Mas ela me mostra o caminho de uma forma tão fantástica, tão simples. E mais do que isso: eu sinto como se eu pudesse torna-la uma pessoa melhor.
Eu sei que ninguém completa ninguém. Tanto que um ano atrás eu estava OK. Só que é ruim experimentar algo bom e não ter mais acesso. Pergunte a um rico que perdeu tudo. É muito pior do que um pobre que está acostumado a viver com pouco.

Eu sempre cobrei demais dos outros. Na minha cabeça o par ideal teria incontáveis atributos. Aí me vem ela. E eu aprendo a gostar dos defeitos.
Porque gostar das qualidades é muito fácil. Quem não gosta de uma loira dos olhos azuis? Mas não foi isso que me chamou a atenção.

O que me chamou a atenção foi o interior. A parte que ninguém tem acesso. Os medos. As inseguranças. As coisas que de alguma forma são parecidas comigo. De um jeito torto, mas são.
Enquanto eu não controlo os sentimento e deixo tudo vir a tona, ela controla tudo. Sufoca. Tenta em vão arrancar a raiz de um sentimento que é muito maior do que o que a gente pensa. Daqui exatamente um mês vai completar um ano do dia que nos falamos pela primeira vez.
Desde então viver tem sido algo diferente. Intenso: Tanto para o bem quanto para o mal.

Se ela é o sonho, eu acho que eu sou o pesadelo. Acho que todas as minhas reclamações e especialmente minha doença a afastam.
Ela diz que me faz mal.
O que me faz mal é não poder viver esse sentimento. Não poder ser plenamente, não satisfazer minhas vontades. O que me faz mal é a ausência.
Ausência da voz, da presença, de partilhar a vida.

É isso o que me machuca, mas não adianta eu falar. Nada do que eu faça vai mudar uma decisão que já está tomada e que não cabe a mim mudar.
Por mim eu estaria junto. Ainda que escondido, ainda que de um jeito que nenhuma das duas merece, mas que é o que dá pra ser. Porque o inferno do lado dela ainda é melhor do que o paraíso sozinha.

Eu sei que ela não vai voltar.
Mas nem por isso eu vou deixar de esperar.
Eu vou vivendo. Do meu jeito torto. Vou seguindo. Mas eu ainda estou esperando. E vou esperar por todos os meus dias.
Tá marcado na pele. Na alma.

As palavras não expressam o quanto eu gosto. Eu nunca disse. Não cheguei nem perto. Primeiro porque ela é racional, segundo porque eu tenho medo dela achar tudo isso uma bobeira sem fim. E eu sempre tive medo de parecer boba, inocente. Por mais que eu saiba que eu sou.

22 de abril de 2017

Tô querendo morrer?
Sim

Sai pra beber com minha mãe.
Uma certeza após isso?
Quero morrer o mais rápido possível.

Nem 7

Sábado. Não são nem 7 da manhã e eu já acordei.
Sonhei com você.
Sonhei que você dormia aqui comigo.
Acordei ruim. Com enjoos.  Esperando aquele momento em que você vai parar de falar comigo de novo.

É tão ruim não falar contigo.
É horrível ser invisível.
Eu só queria um lugar no mundo pra gente ficar em paz... Nem que fosse só conversando...

Meu abraço sente sua falta.

21 de abril de 2017

Eu realmente sou completa e absurdamente apaixonada por você.

Bastam poucas linhas de conversa.
Basta muito pouco.
O sorriso mais bobo do universo é o meu.

As respostas

Tá tudo bem?
Óbvio que não.
Voltar do Rio e estar em férias só me deixa ociosa. O que tenho feito da vida? Bebido e dormido o dia todo. Quanto mais eu durmo menos eu penso.
Só que isso não é saudável.

Eu ainda acho que a culpa de tudo ter acabado é minha. Acho que não sou boa o suficiente. Acho que o problema sou eu que não sei me relacionar,  que sempre busco relações fadadas ao fracasso e me entrego não 100% mas mais do que isso.

Eu acho que sou imatura e não sei lidar com a rejeição. Algum ser humano sabe?
Eu tô sem rumo.
Você era meu norte porque foi a única pessoa que foi real. Eu não precisei bancar a descolada e nem você precisou fazer um papel. Era bom porque éramos nós e foi isso que me prendeu.  Sei lá, eu achava que te conhecia. Talvez por isso eu tenha insistido tanto. "Eu conheço seus passos, eu vejo seus erros"

Agora você me manda mensagem. Pra depois sumir logo em seguida?
Eu gostava de ser a pessoa em quem você confiava. Era bom.

A bosta de se apaixonar depois de "velha" é que as consequências são maiores.
Pelo menos aqui, do lado de cá,  tá sendo.

São 6h35 de um feriado.  Eu de férias.  A gente poderia estar indo pra qualquer lugar passar um fim de semana. 

Sonhar não custa nada.
Eu só queria esgotar as tentativas pra dar certo.
Porque eu não sou tão descartável assim. Sou?

20 de abril de 2017

Das coisas que venho pensando... Suicidas se sentem invisíveis. É como se ninguém notasse a existência deles.
Como se eles não fossem importante o bastante.
Ruim viver com essa ideia de que nunca importou, de que eu nunca fui importante. Ruim esperar por uma ligação que não virá.
Uma mensagem que não vai chegar. Só me faz ter certeza de que realmente não faz diferença.

E se não faz diferença, why keep going on this?

Hipótese

Se com uma ligação você pudesse salvar uma vida. Você ligaria?

19 de abril de 2017

Eu sempre acho que cheguei ao fundo do poço. Que já sofri tudo o que havia pra sofrer.
Quase namorei. Fugi de um relacionamento de transição porque me sentia mal procurando por você.

Uma amiga disse que eu deveria colocar mais pessoas na minha vida pra cobrir cada pedaço teu. Mas acho que nem se eu colocar o mundo todo irei conseguir suprir a falta que eu sinto.
Vou precisar de alguém pra falar de Adventure Time, alguém pra beber cervejas especiais, alguém pra fazer degustação, alguém pra cozinhar sem sal, alguém pra fazer piada de humor negro, alguém pra me acalmar, alguém pra dizer que posso errar, alguém pro sexo, alguém pra falar de outras realidades, alguém que fale sobre os sobrinhos...

É muita gente.
Eu tô no fundo do poço. Eu me permiti desconstruir toda a fortaleza que eu demorei anos pra levantar.
Eu não sou mais nem a sombra da pessoa apaixonante que eu era. Eu não tenho mais brilho.

Tudo se apagou.
Até minha fé.

Sei lá onde enfiei o amor-próprio que eu tinha.
Tá tudo uma bosta e eu só sei reclamar.

Eu to me segurando pra não te ligar. E eu não vou. Embora eu saiba que talvez isso hoje fosse a única coisa que de fato iria me fazer bem.
Ando tendo sonhos estranhos.
Você sempre aparece como algoz.

Tem tanta coisa aqui. Tanta mágoa.
Hoje é um daqueles dias onde eu queria morrer. Morrer só pra ver se eu paro de chorar, só pra ver se para de doer.

17 de abril de 2017

Sobre o vazio das lembranças

Ontem foi mais um dia onde recordar doeu.
As pessoas dizem que eu tenho que superar. É, eu também acho isso. Eu tenho que esquecer.
Mas eu consigo esquecer? É uma bosta ficar lembrando de como era simples ser feliz com você do lado. É um saco lembrar do som da sua risada ou de como eu ficava toda boba te olhando enquanto você roncava profundamente ao meu lado.
É um saco relembrar todas as conversas de bar, as cervejas, seus gostos, ou você cozinhando. Foi tanta coisa em tão pouco tempo.
Eu sei que não dá pra voltar no tempo e consertar. Eu só não consigo conviver com esse vazio. Dói.
Dói tanto que tenho vontade de bater com a cabeça só pra esquecer. Eu sempre tive medo de ter Alzheimer por conta do meu avô. Hoje eu queria que a doença fosse hereditária. É isso ou morrer.

É drama?
Não sei.
Eu tiro forças não sei de onde.
Enquanto isso você deve estar feliz. Vivendo sua vida, amando outras pessoas.
Invejo sua capacidade de me ignorar, de fazer de conta que eu não existo.

E de fato eu não existo.
Eu não importo.

"I was cryin' when I met you / Now I'm tryin to forget you / your Love is sweet misery / I was cryin' just to get you"

Depois de um mês eu peguei meu carro novamente. Eu ando devagar que é pra não ter perigo.
Eu não sei até quando eu vou suportar tudo isso.

No Rio eu tive outra crise.
Eu calo muita coisa.

O que mais me deixa puta nessa história é que a gente se dava tão bem.

15 de abril de 2017

Como é escrever no meio de uma crise de ansiedade

Boa noite.
Estou em mais uma das minhas crises de ansiedade.
Sem um telefone amigo pra ligar.
Sem uma voz pra me acalmar.
Longe de casa.
A respiração ofegante marca o compasso.
O coração acelera e a boca seca.
O estômago dói. Eu fico sem ar.
As lágrimas vão caindo.

Ninguém se importa.
Não faz diferença.

14 de abril de 2017

E se você for um dos porquês?

Acabei de assistir 13 reasons why.  Você obviamente sabe do que se trata.
Meu estômago está revirando.  Já conversarmos sobre suicídio algumas vezes.
Sou uma sobrevivente?
Não sei.
Parte de mim morreu nesse meio tempo.
Ainda ontem estava falando sobre ter um coração partido e superar.
Eu ainda não esqueci.
O que mais me machuca não é o final da relação em si. É o silêncio que ficou. São todas as mensagens não respondidas. Como se eu não existisse. Como se eu nunca tivesse sido importante.
Dói.
Dói porque pra mim foi importante.

Não será eu escrevendo aqui que vai fazer as coisas mudarem.
Não serão estas palavras que vão fazer você ligar só pra perguntar se está tudo bem.

Eu só queria achar uma saída pra tudo isso.

8 de abril de 2017

Cartas sem resposta #1

Eu quero tanto a minha casa.
Eu quero tanto ouvir a sua voz. Sua voz me acalma. Seria um alívio receber uma ligação nem que fosse só pra ouvir um rápido "oi, tudo bem?" e só.

O Rio vem se tornando o Hell de Janeiro, que na verdade é março. Que se estende até abril.
De novo estou doente. Minha imunidade baixou de tal forma que eu tô protelando ir ao médico porque estou trabalhando.

Lembra que ano passado eu estava com suspeita de caxumba e era só minha sinusite que tinha me pego de jeito? Então, mesma coisa esse ano.

Só que eu ainda não fui ao médico.

Eu quero minha casa. Quero ouvir sua voz.
Quero um pouco de paz.

3 de abril de 2017

Da Barra, RJ

Receber agressões gratuitas num lugar onde me escondo é ruim. Não é esconderijo, é refúgio.
Quase um mês longe de casa.
Férias chegando.

Eu continuo pensando todos os dias em você.
Faço algumas tentativas de contato sabendo que você não vai responder. Eu não faço ideia do motivo desse silêncio todo.
Acho que eu já não me machuco mais com a ausência, com esse vazio que ficou. Mas eu sinto falta. Eu sinto saudade.
Saudade do cheiro, da risada, do som da sua voz.

O Rio, mesmo com todas suas "coisas mais lindas e cheia de graça", não conseguem apagar a memória dos dias bons que vivi ao teu lado.
Não se vive de passado, mas o tempo não existe. Somos movimento.

Fui visitar o Museu do Amanhã. Se quiser espie as fotos no meu instagram.
O passado, presente e futuro se conectam de alguma forma dentro da existência.

Faz um tempo que não tenho notícias tuas e acho que dificilmente terei. Você aprendeu a colocar limites nas sua relações. Admiro isso.

Você faz falta.
Neste momento estou na Barra da Tijuca. O Rio é interessante. Acho que estou me sentindo em casa nesta noite não tão quente. A avenida das Américas movimentada me lembra a avenida de casa.

Você faz falta.

É... Você realmente faz falta.