3 de maio de 2017

Carta ao amor

A vontade que eu tenho é de chegar no tal do "Amor" (o sentimento mesmo) e dizer: Ei, cara. Eu desisto de você.
Desisto de amar, desisto de tentar ser amada. Desisto de achar que um relacionamento deve te ter como base. Desisto.
Você é um idiota que conta fábulas magníficas, mas que na realidade nunca vão acontecer. Que na realidade só trazem dor e decepção.
Ei cara, ei amor, você é um babaca. Você faz com que a gente perdoe, espere, cuide, faça um monte de coisas sem esperar nada em troca e pra que?

Pra nada.
Ei amor, eu não acredito mais em você. Não acredito mais que você cure algo.
Eu queria acreditar, sabe. Eu tentei. E eu sei que só você sozinho, não faz um relacionamento. Começo a achar que é muito mais fácil, namorar, casar e tantas outras coisas que eu queria pra mim sem você estar por perto.

Queria dizer: Desisto. Desisto de achar que é você quem torna alguém especial. Desisto de acreditar que você pode me tornar especial pra alguém. Não acredito que você traga mudanças. Não acredito mais na sua força.

Vou viver sem você. Abdicar dos sentimentos que a sociedade considera "bons".
Me recuso a achar que você, amor, traz torna as pessoas mais felizes. Detalhe no "mais", afinal eu sei que você não é responsável pela felicidade de ninguém.

Ei amor, aqui no seu lugar tá saindo uma sementinha de mágoa. Espero que ela vire um câncer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário